Total de visualizações de página

sexta-feira, 10 de junho de 2011

O OUTRO ESTAVA LÁ E EU O VI!!!




O Outro estava lá e eu o vi (GUTO)

Há praticamente um ano eu não utilizo o titulo deste post como meu nick no MSN, fico pensando no motivo que me levava a digitar isso e no mistério que isso significava para mim. Era bem verdade que eu costumava levar bastante à sério essa frase, a idéia do “outro” era um conceito que eu esperava (espero) desenvolver. Seria um algo de filosófico, místico ou até mesmo religioso, não no sentido popular dessa palavra.

Acho que é oportuno esclarecer que o religioso ao qual eu me refiro seria uma espécie de religião antropo-teognosiológica, isso quer dizer que eu me voltaria para o conhece-te a ti mesmo primordial da filosofia socrática para, através do conhecimento de si, tentar conhecer o outro, todos os outros, e a partir disso conhecer Deus, ou não. Afinal o importante é que eu não tinha isso como uma espécie de paranoia, já que o foco principal nesse rabisco de sistema filosófico seria o auto conhecimento, já citado anteriormente.

Entretanto, a necessidade de um imediatismo pragmático, de certa forma, não me ajudou a avançar muito nessa direção, é difícil manter-se fiel a sistemas filosóficos próprios e de certa forma até egoístas quando os dias cobram um cadinho de sua atenção e contribuição monetária. Outrossim é necessário manter-me emparelhado à justiça e fazer saber que também eu mesmo fui culpado nesse desvio em meus desígnios filosóficos pessoais. Em muitos momentos a frivolidade aliada a pitadas de vaidade me manteve com o foco difuso, distante de meu objetivo, que, por sua vez, deveria ser o meu norteador, essa nobre tentativa de descoberta íntima, de sentir por si mesmo o que é essa coisa chamada o Outro.

O outro, para mim, é esse espelho negro opaco, uma sombra de nós mesmo. O outro engloba em si todos os nossos caracteres mais remotos e mesmo se os mesmos atributos apresentarem-se em proporções menos acentuadas, creio que talvez seja simplesmente porque as configurações psicológicas, biológicas, sociais  dentre outros atributos que formam esse sistema que é o indivíduo humano e toda a sua abrangente condição como tal, contribuíram para que a coisa se apresentasse dessa maneira.

É por isso que encontramos a célebre frase “ninguém é melhor do que ninguém” tão amplamente usada por ai. A mesma simplesmente reflete que como seres humanos somos, todos nós, antes de qualquer coisa, potenciais, ou Devi r(vir a ser) mesmo já sendo. Nós todos apresentamos os mesmo s potenciais sejam eles tanto para a criação quanto para a destruição, sendo ao mesmo tempo Shiva e Bhrama.

À medida que a vida, através de suas muitas leis, nos impulsiona a agir, dá se o processo pessoal de desenvolvimento e é nesse momento que temos a bifurcação, a qual eu chamaria de o “Outro”. É ai que mora a minha limitação e miséria, não consegui compreender a totalidade deste. Portanto, só me resta caminhar nessa orientação, para assim poder conhecer o outro que estava lá e eu não vi.



OS:. A idéia carece de muita correção, revisão e estudos de aprofundamento.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Canção Para Garota Indecisa

Canção Para a Garota Indecisa (GUTO)



Ela flutua longe do meu mundo e faz-me de maneira quase hipnótica escrever essas tolas palavras. De dentro da minha redoma, eu as acho uma doçura, mas deveras inapropriadas para a ocasião. Revelo-me não tão sábio no jogo que ela autoritariamente propõe e exige, então eu penso: “Nunca tive sorte nessas coisas” . Observo o seu flutuar independente e encho-me de frias incertezas , daí tudo se torna mais gélido em minha alma diante da opacidade daquele olhar. Ela usa seus olhos como escudo e lança. Com apenas um movimento ela domina a situação, eu apenas retribuo. “Cheque Mate”, ela me informa, e em seus olhos eu vejo lampejos de uma autoridade quase sobrenatural. Minha trilha avança em direção à dela, mas ela apenas flutua distante e ideal, longe do meu mundo.

Encontro-me tolo no cume do destino e penso nela outra vez, vejo em imagens mentais que ela sorri, sua boca exibe dentes perfeitos, mas seus olhos, sempre eles, atingem-me assim tão deliberadamente – escudo e lança.

Vejo-a naquele sonho e chamo-a de doçura, penso em chamá-la para o lugar no mundo onde ela não precisará flutuar para tão longe do meu mundo. Mas minha voz se perde antes mesmo de poder sair da minha garganta, antes de atravessar a distância desse mundo e alcançar o seu flutuar, de penetrar na sua subjetividade e te impor uma verdade minha. Acho que o que importa é somente ela e talvez acima desse céu resplandecente não aja nenhum Deus a nos observar com seu martelo. Doçura, podemos fazer o que quisermos desde que isso não machuque ninguém. Essa sentença simples é o meu único Deus. Você é o meu único Deus.

OUTRA FREQUÊNCIA

Voltando de longas terras após longa viagem, trago notícias das mais variadas de tempos passados, presentes e possíveis futuros. O que há de diferente nesses meus dias? Respondo-vos, TUDO. Os meses me ocuparam com suas obrigações e fui obrigado a deixar esse meu querido blog em décimo plano, entretanto, o bom filho à casa torna, e se me ausentei, os motivos foram os mais nobres. Primeiro, tornei-me pai (a coisa mais importante que já aconteceu em minha vida). Segundo, recebi convocação para tomar posse no concurso público que eu havia feito recentemente, acho que isso tem ligação intrínseca com o nascimento de minha filha, e será muito benéfico para que eu possa dar condições de educação para a minha princesinha (o que é muito importante, na minha opinião). Terceiro, eu e minha noiva finalmente casamos de papel passado. E em quarto lugar, estou às vésperas de formatura na faculdade e tenho algumas ocupações inerentes a isso.

Enfim, tanto o título desse poema, quanto o conteúdo do mesmo, se deve a isso tudo. Esperem que gostem.

Um grande abraço para todos.



Outra Frequência (GUTO)



Esta ambiência é bem mais condizente a mim
Estou em outra frequência meu bem, não chame por mim.
Há uma nova beleza a degustar
Para nas horas, nas quais o terror se aproximar,
Uma fagulha de arte poder vomitar.
Só não venha cuspir em minha face
Nomenclatura de vil e egoísta.
Pois eu bem sei que trilhei no escuro
Tendo apenas a solidão à vista.
Também não me venha acusar de ser como uma ilha,
Estarei em outra frequência, meu bem, com a minha família.
E mesmo se você quiser levar a luz do sol embora,
Saiba que a luz do meu amor me aquece a toda hora.
Por isso não desperdice seu tempo lamentando por mim,
Estarei em outra frequência
Como eu sempre quis.