Total de visualizações de página

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Perséfone (Guto)




Ela se apresenta com sua pele extra
Usada em ocasiões distintas
Cospe-me no seu mundo insólito
E embora seja noite eu me queimo ao sol
Guardo o segredo que me aquece
- E queimo ao sol -
Ela desnuda o pensamento que eu oculto em floresta virgem
Faz me um tolo e limítrofe
Presente em momentos históricos os quais ela provocou.
Ao fundo da minha cortina de aparência
Eu apenas desejava me purificar
Mas de fato hesitei por entre os anos
Pensando que poderia chegar mais alto
Mais longe, ou mais cedo
Só não o suficiente de enganar a mim mesmo
Ou a ela.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Poema (Guto)






Sigo transitando firme em cambaleio fático
Invento um sol
Pinto um oceano
Ergo uma cidade trágica em minha mente
E todos apenas se enchem de cruel repúdio
Simulo um novo ar rarefeito
Para fazer tudo melhor daqui de cima
Em meio a tenra solidão de eremita
Construo um lar
E sigo para além do horizonte sobre o mar.