Total de visualizações de página

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

O Vidente - parte II (Guto)

(...) no fundo, não era o fato dela falar de amor. Era outra coisa, mas ele não sabia o que era, talvez algo do futuro, algo que ele não conseguia capitar, mesmo com seus olhos de vidente.

A moça soltou um suspiro profundo, como se todo o pesar acumulado fosse liberado com ele.

Ele viu que ela trazia algo nos seus braços e que ele só percebia agora. Era o velho violino. Seus olhos brilharam incógnitos, e ela simplesmente percebeu o que ele queria. Posicionou o instrumento e começou a improvisar algo que lembrava o Canon em D maior de Pachebell, entretanto soava de maneira diversa, desprovido de sentimentos, de pathos e de temporalidade. Soava milenar. 

Ele se sentiu extremamente exausto com tudo aquilo, como se sua energia fosse de alguma maneira drenada pela maneira fria como aquela música era traçada no ar. 

De repente ela parou de tocar, olhou nos olhos dele e, como se fosse a coisa mais natural do mundo, disse:
"Sabe, Lúcius? Tudo isso é somente pelo fato da inexistência de Deus"(...)

  

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

O Vidente (Guto)

Olhou outra vez nos olhos da moça. Vazio! Era só isso o que enxergava neles. Mas não era só isso, era todo estupor inaudito de uma geração decadente, uma geração de farrapos. Ela desviou o olhar e seus lábios se transformaram rapidamente num leve riso zombeteiro.

Os lábios dela abriram-se e ela ousou falar de amor(...)

Nada mal para uma geração de farrapos.




 

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

As Cores das Horas


As Cores das Horas (Guto)



Meus dias, esses têm a face da amarga senhora
Perdida em seu clamor, não enxerga melhora
Se ao menos a redenção viesse com uma penitência
Não esvairia minhas horas com tola penitência

Minha tarde aperta a mão do decadente errante
Para que, de sórdida mesquinhez, eu me tornasse amante
E no alto da fúria eu não pudesse gritar
Um pedido de socorro para um alguém me libertar

Minhas noites celebram a chegada do horror
Pois sabem que o que houver de imundo, eu chamarei de amor
Saboreando o vinho torpe como uma criança
E mandando para os diabos qualquer fulgor de esperança.