Total de visualizações de página

domingo, 27 de novembro de 2016

A Chuva de Abril(Guto)

A Chuva de Abril (Guto) 



Eu estava tolo no limite enjaulado
Clamando um amor parco
Perdido e sem tônica 
Minha feérica culpa me seguia
Escandalizava-me 
E sem sombras inevitáveis peguei uma moeda 
Depositei nesse amor 
Ele sorriu por um tempo 
Um tempo apenas
E tudo era abundante em palavras 
E eu
Abundante em tolices 
Como a chuva de  abril 
Um outono entre trópicos 
Sabe... Essas tolices alimentam 
Minha alma angelical 
Sempre enjaulada 
Por minha própria conta 
Esquecendo minha beleza 
Meu ódio 
Você entende 
Entoa esse verso  circense 
Com cópula quase extinta 
Com amor sobre a tinta 
Venerando a minha trilha 
Eu não sou um continente 
Sou apenas uma ilha. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário